sexta-feira, 14 de junho de 2013

Cara de Velha


Eu vejo minhas primeiras rugas
no reflexo do ônibus.
O número três se aproxima
com uma rapidez absurda.

Enquanto as mulheres modernas
gastam rios de dinheiros
com cremes antirrugas, anti-sinais,
eu sou bem mais feliz,
pois não tô nem aí.
Que a minha cara
seja classificada
como "maracujá-de-gaveta"!
Os seios da terra
só são fecundos e belos
quando são profundos.
Quando eu for bem velha,
quero ter cara de velha.
Sem relógios que supostamente
andam para trás.
Quando eu for bem velha,
quero ter cara de velha.

Um comentário: